Arquivos | Africa do Sul RSS feed for this section

Mercados e feiras no mundo : Earth Fair Market

14 mai

Este slideshow necessita de JavaScript.

O Earth Fair Market acontece há pouco tempo na movimentada, e exclusiva para pedestres, Saint George’s Mall Street, no centro da Cidade do Cabo. Ele é o irmão mais novo do já tradicional mercado de mesmo nome que ocorre em Tokai, não muito longe do Cabo.

O bom é que ele acontece no final do dia, todas as quintas, e a maioria dos produtos são comidinhas gostosas já preparadas, queijos, geléias, salgadinhos, doces. Assim, o pessoal sai do trabalho e vai comer alguma coisa por ali mesmo, o que anima ainda mais a rua.

A cozinha “Cape Malay” da Cidade do Cabo

21 abr

Temperos, pimentas, ervas, currys, legumes e carnes, a cozinha “Cape Malay” da Cidade do Cabo (África do Sul) é saborosa e diferente. Criada e difundida pelos escravos vindos do sul da Ásia (Índia, Siri Lanka, Malásia, Indonésia), hoje ela se perpetua no colorido bairro de Bo-Kaap.

Alguns pratos como o bobotie, uma torta de carne picada e misturada com curry e servida com arroz e chutney, o bredie, um tipo de cozido de carne, peixe ou tomates, mas que pode variar bastante, o malva pudding, um bolo esponja feito com caramelo e bem molhado, ou ainda os koeksusters, um donuts trançado e coberto com uma calda de açucar, fazem parte do cardápio típico Cape Malay food.

Aprendendo na prática

Algumas agências levam os turistas para conhecer essa cozinha de uma forma diferente e lúdica. Uma experiência que começa com a visita do bairro, das mercearias, e termina na cozinha de um dos moradores, onde os quitutes típicos (samoussas, pães, carnes) são preparados e claro, degustados.

Nesse vídeo (em inglês) da agência Andulela, divulgado na televisão local SABC, pode se ter uma boa idéia do passeio. De dar água na boca…

___________________________________________________________________________________________

O bairro de Bo-Kaap

Esse bairro ficou conhecido como o bairro dos malaios, numa referência à origem dos escravos, que ali vieram morar após a abolição. O termo de malaio é abrangente, pois os escravos vinham do sudeste da Ásia em geral e não somente da Malásia. Muitos também vieram da Índia e do Siri Lanka. Essas pessoas trouxeram com elas as tradições gastronômicas de seus países e essa mistura cultural ainda é bem viva nas ruas da Cidade do Cabo. Em meio às casas coloridas de Bo-Kaap, os produtos para essa comida temperada são vendidos nas pequenas mercearias. Para os turistas de passagem, os restaurantes do bairro são uma boa opção para matar a curiosidade.
 
 

____________________________________________________________________________________________

Panos de prato, receitas e o resgate da história de um bairro e de seus habitantes

18 abr

Reuniões de família rimam com almoços saborosos, comida caseira e receitas tradicionais. Comidas e histórias se misturam e um faz lembrar o outro.

Próximo do antigo bairro de Districk Six, na Cidade do Cabo (Africa do Sul), onde se situa o museu de mesmo nome, um projeto original para salvar a memória dessa zona popular foi criado. Munidas de panos de prato brancos, as antigas moradoras se reuniram para bordar nos tecidos as suas receitas e histórias dando origem a panos coloridos e ilustrados. O resultado desse encontro, hoje figura nas paredes do museu e é acessível aos visitantes que vêm dos quatro cantos do mundo, assim que aos antigos moradores desse bairro que já não existe mais. Desse modo, graça a uma idéia simples, a história saborosa dessas pessoas continua viva e  o museu se torna um local de encontro, onde no café ao lado da sala de exposição, novas historias são contadas.


_________________________________________________________

District Six, um bairro fantasma, que continua na memória da cidade
O District Six era um dos bairros mais animados da Cidade do Cabo, conhecido pela sua mistura cultural. Apesar da pobreza, era um lugar convivial, onde moradores de diferentes origens e credos trocavam idéias e se conheciam. Nos anos 1960, durante o regime do apartheid, um projeto do governo decidiu pôr abaixo o bairro que se situava no centro da cidade, numa área nobre.  O local seria destinado aos brancos e para isso todos os moradores do local deveriam ser realojados nas townships (favelas ou bairros com casas bem populares) segundo as suas origens. Os negros foram para uma zona, os mulatos e estrangeiros para outra, cada um com a sua “tribo”, assim era a filosofia do governo à época. Foi assim que durante vinte anos as famílias foram pouco a pouco retiradas de suas casas (muitas habitavam o bairro já há várias gerações), perdendo o contato umas com as outras. Para a tristeza de muitos, as habitações foram completamente destruídas. A ironia do projeto é que, até hoje a área está vazia e o bairro “branco” nunca foi construído.

_______________________________________________________________

No avestruz tudo é bom

13 abr

Se no Brasil o avestruz é apenas mais um dos animais expostos nos zoológicos ou que passeiam em frente ao Palácio da Alvorada, na Africa do Sul o animal faz parte da cultura gastronômica do país.

Várias fazendas especializadas cuidam da criação dos animais e protegem os ovos para controlar o desenvolvimento. Logo que nascem, os pequenos são postos à parte e não devem ser incomodados, pois o avestruz é um animal sensível e muitos morrem de crise cardíaca causada pelo stress. O animal cresce rápido e depois de alguns meses já atinge seu tamanho adulto. E se a expressão estômago de avestruz existe, não é atoa. Além da ração, os bichinhos comem tudo que encontram no solo, inclusive pedras. Parece que estas são mesmo necessárias e ajudam a digestão.

Cuidado! O avestruz não é muito inteligente, mas um chute pode ser mortal, até para um leão.

 

1 mês de vida

 

 

No avestruz nada se perde

Na cozinha o avestruz pode ser utilizado de várias maneiras :

Ovo : Equivalente a cerca de 22 ovos de galinha, o ovo do avestruz possui praticamente o mesmo gosto. A única diferença é que a clara não é tão clara e sim meio amarelada. O colesterol é bem presente e quem tem problemas deve se abster. Quando utilizados em omeletes, guarda-se a casca, que é por sinal bem rígida. A mesma é trabalhada por artesãos, ganha relevos ou pinturas e vira objeto de decoração.

é preciso quase uma hora para que o ovo seja cozido.

 

 

Cozido ele vai bem com torradinhas e um molho agridoce

 

 

Carne : Um pouco mais cara que a carne de vaca, a do avestruz também é muito consumida e apreciada. Ela é vermelha (quase violeta), magra e saborosa, mas não deve ser muito cozida (fica dura e seca).

Bon appétit!

_________

Fora da cozinha o avestruz também é utilizado:

Couro : O segundo mais resistente, só perde para o de crocodilo. Utilizado na confecção de bolsas, carteiras e outros acessórios. O preço é bem elevado, mas os vendedores garantem um objeto para a vida toda.

Plumas : Muito utilizadas antigamente para enfeitar chapéis, hoje elas já não estão tão nada moda e enfeitam os espanadores de pó.

 

 

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.